Tag Archives: inglês

Have we met? Why Happn users prioritize kink over security

I’ve recently posted, or at least tweeted, a crazy but informed interpretation to one of my teen playlist songs, Iron Maiden’s Phantom of the Opera. There’s also Nightwish’s version, and from that you can tell I’m a metal dude. At least I used to be. And this is the kind of trait that people see when I go out the street — unless the hair is tied in a ponytail. And so it used to be for many years. God, I hated when I forgot my thing in the bathroom and had to take the train and go out the windy street with my hair untied. I had to look presentable for the business people. That didn’t happen, to the point of me having to ask the receptionist once, who was a great friend, for an elastic band. Once I invited her to a concert I was playing. I waited over half an hour while she made up her mind, and gave up. She always looked gorgeous, though she didn’t need much. Now whatever your preferences in music are, and no matter how long you take getting dressed and ready for work (I mean, people who read my blog have a job, right?), the circumstances that you have to be able to capture and be ready to react to appropriately when going out the street have been changing.

From the social media viral videos of people screaming at strangers because of a gay kiss or the color of their shirt, which is apparently the ultimate test of personality and moral integrity, to how comfortable you are with wearing cheap or expensive clothes, and where: that changes when we’re talking about Instagram. Except that we’ve all heard this story: people portray themselves as something they’re not, and the creation of BeReal is proof of that, sort of. They just forgot to mention that cameras can be disabled remotely by hackers, because who would share information like that, correct? So you may see the guys at the gym and the girls playing with their dogs; you roll your eyes when God reminds you it’s not really the absolute total of cases and Jesus wouldn’t judge people based on looks, especially not on social media, which is just a small fraction of who they are, whether or not they’re hungry or thirsty for a reenactment of The Supper. Follows are creepy; comments are abusive; DMs are a police case. But who the fuck told you that?

If we look at Google (which is free for all, and in fact has built the operational system that Gen Z grew up thinking is life itself), you’ll notice that you can toggle on an off a beautiful feature called “safe search”. Meta isn’t like that: it eliminates the right to choose. I’ll repeat myself: after my screen cracked and I couldn’t make my camera work anymore, even though it came back after some physical and app-based cleaning (which was honestly a terrifying experience, because they tested frequencies and all kinds of weird shit), I figured my camera wasn’t gonna come back. But the standard camera app on my phone works normally. Instagram, specifically, won’t allow my camera. This was after I was getting slightly (I emphasize this) more active on TikTok and Snapchat, predominantly teen apps. Do you wanna comment on today’s teens? Anyway, nobody has the time and the joke’s on them, so far. But they think they’re winning some kind of competition. I just read about this crypto guy who’s 30 years old and apparently has ties with the MIT (everyone knows that’s the Massachusetts Institute of Technology, right?) — 26 billion dollar net worth. Excuse me, I’m 33 and my area is tech culture. My reference isn’t Noam Chomsky, though. I think the man’s brilliant, but I pursue other paths, as you can tell from the way I write blogs. The idea that people are trading crypto, for me, is like betting on who’s gonna need to have a tough conversations with their parents — and then, of course, running away from that at all costs, quite literally. Nothing more than that: self-indulgent if you’re nice; a cancer if you’re niche — except if you remember that a certain Mindgeek affiliated company pays in USDT. We could go in circles here, but my point is: the younger generation thinks about compensation very differently, and wants it now; the bigger tech companies operate with a certain margin of risk; the mainstream social media companies are debating whether or not the “risk” is a national security matter or just the burdens and embarrassments of having a lazy kid.

The event with my camera is particularly interesting not just because fintech uses facial recognition software now (and so you can imagine the margin for fraud); on that note, Santander started applying biometrics around the year 2016, if I’m not mistaken (or at least that’s when I was asked to do it). That’s a big Spanish turned international bank founded in the mid 19th century with publicly traded stocks, not a smartass invention from someone who was bored. Now… speaking of that: whether or not it’s a lazy kid or a bright kid, hyperactive or antisocial, and so the profiles go on, everyone’s going to get bored. And if you make a doomscrolling joke, get the fuck out of here. You get bored, you chase people on the internet; isn’t that fun? Well… Instagram thinks the hashtag “bored” violates the community guidelines. I mean, that’s the argument I made on my 20 minute video I can’t post because either Instagram, my ISP or my nosey neighbors won’t allow, but we had a pandemic with the entire world (so we thought) stuck in their homes, and then the biggest social app in the planet (so we thought) decided to ban “bored” as a search. How on Earth does that make sense? The rushy conclusion would be that our next headline should be domestic abuse, but to get there, we need to understand where the abuse came from, or the serries of situations that would lead to frustration, then conflict, then at the end, authoritarianism. And suddenly, instead of an internet joke, we’d have debates on the endurance of democratic values. Let’s suppose that sort of happened. A question lingers: should we blame Hacker Lane or nah? Do we have the power and means to, outside of the US?

In the streets, not much like what Iron Maiden pictures, but maybe with a booming bass and drum from some car most likely bought with untrackable sources, someone’s going on a date. I mean, the date is the car, check out what’s in the glove compartment and maybe getting to roll, but let’s just picture a different situation. Young man wants to buy young woman a drink. They stop at the gas station or the liquor shop. Not judging, by the way (unless you steal my credit card, then I most definitely am judging and I’m not alone). The girl is wearing shorts and a top. The guy thinks Billie Eilish got everything right in terms of fashion, except she doesn’t care about sports. When someone else approaches them, completely oblivious and 100% uninterested in what the hell is up with them, that person gets spotted — because technology made that happen. That’s the idea of an app actually called Happn, without the e. What could possibly happen if I talk to strangers on the street? They might give me wrong directions (or they might beat me up if I mention politics). They might hit on me, they might tell me to fuck off. The app lets you know, as long as your data is turned on while you go out (and active with an internet carrier plan) exactly who crossed your path (but of course, they need the app installed too for that to actually materialize, in terms). When they were talking about contact tracing, they were studying GPS and health data in intersection. When they made Happn, they probably had a different dataset (got a guess?) and a different goal. Initiatives like Walk Safe have countered this, just like Lyft has countered Uber.

But who has countered stalking? Sure, I’d love to know that someone masturbates while I’m having a panic attack. It would probably save my life. But I wouldn’t know — not ever. And let’s be clear about this: they might be masturbating not thinking about me at all, which is important to say. And I’m so, so sorry if the word masturbation is more of a trugger to you than getting beat up on the street for wearing your favorite tee shirt. The fact is, when I come home, I don’t keep thinking about the girls I met on the street. Who am I, some fucking psychopath? I’m thinking about my plans, where to go next, my routine. Things I need to buy, friends I haven’t talked to for a while. Pubs, and shit. I’m not thinking: “OH MY GOD, WHO IS THIS? MMM!” — but apparently, for the younger generation (and I’m able to speak this with relative, but ridiculously questionable confidence), the whole process is naturalized. If Happn didn’t exist, they’d never think their phones were being tracked. And so when they found out that screenshotting was a built-in feature on their phones, they all started to steal each other’s work, but also the right to privacy. Further, the people who never gave a shit about younger people being educated to serve a better purpose in society wanted to create an ideal user that spoke to everyone in town and picked who they wanted to stalk first. Without exaggeration, but at the danger of being censored, I can say this kind of ideology is pervasive in tech culture, and nobody’s ever Googled the term restraining order. Some of them have filed those, but don’t seem to have a strong opinion or even basic knowledge on immigration laws and data protection laws, which I personally find very disconcerting, if not absolutely petty.

Quais são, afinal, os erros comuns no contato com o estrangeiro?

Eu escrevo bastante sobre cultura digital. Tenho longos desenvolvimentos de teorias sobre as redes sociais, considerações sobre sua história, dados estatísticos tirados de um site aqui, outro ali; mas a tal da participação, que deveria promover, faço pouco. Falo, de fato, de muitas experiências minhas e do conceito de participação na vida estrangeira, mas são comentários superficiais ou muito pouco claros, remetendo a histórias complexas e que deveriam ser pessoais. Um erro de estratégia? Não sei. Como aponto na homepage do site (estão aí dois estrangeirismos, um deles já muito integrado à nossa vida), as redes sociais estão mudando. Ou seja: as histórias pessoais se tornaram, conforme já apontei quando falei sobre a monetização das conversas privadas, que foi decisão corporativa e teve medidas jurídicas, parte de uma nova hierarquização da internet. O que interessa falar sobre é, de repente, o que todos falam, apesar de sempre ter sido dessa forma; a diferença é que há uma complexidade nas interações e nas referências que são trocadas que só se intensifica, e se não incentivarmos a troca cultural, não incentivamos nada. Como abordo também, isso abre caminho para rotas perigosas, lidando com robôs e tipos de scams que não desejamos lidar (e poderia falar sobre coisas pessoais, mas não é o caso).

A possibilidade de fazer laços de amizade, de ter um flerte, de falar da mesma coisa, de encontrar alguém com os mesmo interesses, só faz crescer a vontade de participar do mundo conectado, mas o mundo mesmo: não é o bairro vizinho, é o país lá do outro lado do planeta. E assim caminhamos, mas sem bases para que possamos conversar mesmo, trocar ideia numa boa, com pessoas que não vão interagir com agressividade, malícia, más intenções ou mau comportamento em relação a nós, ficamos um pouco sem rumo. Como isso tudo vai fazer sentido? E se eu tiver, de fato, uma amiga da Suécia e outra do Camboja, mas não souber conversar sobre nada com elas? E se o menino que eu conheci num jogo parece ser gente fina, mas o maluquinho indiano que me adicionou não tem nada a ver comigo, e não vale a pena investir meu tempo nisso? Como administrar essa nova rede de contatos? Estamos no micro (fazemos isso com Tinder, etc), mas precisamos ir ao macro. E para muitos, isso envolve seguir uma empresa nas redes sociais, participar das discussões sobre um assunto levantado num painel ou no noticiário. E aí?

Eu fiz uma lista que considero razoável, com uma abordagem humanística, e esclarecendo pontos em comum das diversas gerações que interagem na web, não sem pontos de fricção. Espero que as reflexões lhe ajudem. Afinal, quais são os erros comuns no contato com o estrangeiro? Vejo muito os seguintes:

1. Criar expectativas de uma longa amizade

Muitos dos nossos contatos duram menos de um segundo, ou alguns. São pessoas que cruzam o nosso caminho, e nunca mais vemos. São todas aquelas pessoas da seção de comentários, das lives, dos streams, que clicaram no nosso perfil, que curtiram nossas fotos ou seguiram, que ligaram a webcam, que enviaram um pedido de amizade mas não aceitamos por não conhecer, que deram like numa postagem que ganhou notoriedade, mas também são as pessoas que ouvimos falar sobre, que procuramos mas não tivemos coragem de adicionar, que até demos um like, mas não puxamos assunto, que apareceram num aplicativo. É meio babaca, mas existe uma coisa chamada lei da oferta e da procura. Isso é tão babaca que teve empresa que se apropriou disso pra tentar remodelar a web, exemplo do aplicativo Plenty of Fish (no mar tem muito peixe, mas até aí não te contaram do tubarão). As pessoas vêm e vão. É difícil quando elas vão, né? Mas precisamos ter em mente que, por quaisquer que sejam os motivos, elas têm o direito de recomeçar e tentar uma nova estratégia pra chegar onde querem chegar, porque nunca foi simplesmente sobre uma nova conexão. Novamente, há uma necessidade de se pensar o macro. Mas os contatinhos, como se apelida aqui no Brasil, são muito legais de se ter. Não julguem, façam mais.

2. Esperar uma zona amigável em que ninguém julga ninguém

O julgamento é imediato. Pessoas carregam concepções consigo, e reproduzem não só a maneira de pensar de um grupo ou delas próprias, mas também seu estado emocional, que pode ser temporário, mas tem o potencial de estragar o dia de uma pessoa. O bom é que, às vezes, o que acontece é justamente o contrário: você ganha um elogio, alguém faz uma piada, e a coisa fica legal. Mas nem sempre é assim, não. São mais interações não desejadas do que desejadas, via de regra. Portanto, saber que nem sempre o humor daquela pessoa que você está conhecendo (e por favor, permita a ambos terem o espaço para que isso de fato aconteça) vai bater bem com o seu, naquele momento, naquele espaço. Preconceitos existem, coisas que ouvimos falar são reais, e a abordagem que vemos na mídia tradicional omite o linguajar por conveniência. É como se abríssemos uma caixa de pandora, ao revelar o teor do que enfrentamos nas redes. Mas ao navegar a rede (e digo isso com o risco de parecer ter 30 anos a mais do que tenho), lembre-se de reforçar a positividade para que assim seja com você também.

3. Avançar em comentários de flerte

É, realmente não dá pra ficar só olhando a menina rebolando. Não sei o que as meninas fazem, e isso parece ser um grande tabu. São menos meninas, que eu saiba, falando sobre as qualidades do menino, ou do homem, que atraem ou despertam desinteresse. Inclusive, quem faz isso parece que consegue um resultado legal nas redes (expondo relatos e conversas por completo), mas não necessariamente isso as transforma em serem humanos mais humanos. É a coisa mais legal da internet, talvez, saber que alguém tá procurando por você, e que é um desejo físico. Quando isso é satisfeito, é gostoso demais; só que não dá pra esperar isso de todo mundo, e convenhamos: tem hora que cansa, demais. Inclusive, homens e mulheres se cansam, e não tem nada a ver com sexo físico: um assunto pode se esgotar, um interesse pode mudar, uma preferência ou hábito. Achar que os perfis em redes sociais são indicadores de que estamos todos flertando com todos é a receita de uma grave crise de saúde pública (mas isso, claro, tá longe de ser mais uma teoria da conspiração). A propósito, quem faz isso profissionalmente, vale lembrar, tem que revelar uma série de coisas sobre si, e pode não ser nada agradável ter que lidar com mais uma camada de invasão de privacidade. Só não deixe de flertar. Inclusive, é legal entre amizades, se for de bom tom (como dizia aquele meme) e uma coisa saudável. Não chegue pra sua amiga de 5 anos e fale “olha os peito dessa mina, meu” na frente do namorado dela, logo depois de os dois terem discutido sobre o futuro do trabalho de cada um e se iriam continuar morando juntos. Aí não é legal. Também não vale falar que nem um anjo com aquele contato que você respeita e, no instante que a pessoa posta uma foto provocativa, mandar a sua genitália. Calma, colega. Que isso.

4. Manter contato, mas nunca conversar sobre nada

A gente tenta expandir as conexões, mas manter as conexões acaba sendo mais difícil. Você adiciona, mas depois tem que dar bom dia. E isso se repete. Tudo tem limite. Peraí. Bom, não é bem assim que a gente toma nossas decisões em relação ao grau de intimidade que a gente tem com o outro, mas tudo bem você chegar pra uma pessoa que conheceu ontem e falar sobre a doença na família, o desemprego, o seu psicológico ou relacionamento. Tem gente que vai contra. Mas quem era pra conversar com você está disponível, naquele momento? Se a resposta for não, porque não se jogar? Não gosto muito dessa expressão, mas é bem por aí: temos que saber aproveitar uma oportunidade, e às vezes cansa testar a durabilidade das coisas em todos os momentos presenciais. Eu quero saber se os meus amigos falam bem de mim quando não estou presente, o que não significa que vou xeretar nas conversas de outras pessoas (até porque nem sei fazer essas coisas), mas sentir que tá tudo legal entre a gente. E a gente vai fortalecendo as relações na construção de novos pilares. Eu posso não gostar de falar sobre política com algum dos meus contatos, mas me entender muito bem com outros. Se não for o caso, pode ser música. Pode ser relacionamento. Pode ser cultura. Eu posso ter um melhor amigo que faz piada com português e uma amiga de fora que mora na Europa e sabe como que o português é tratado e trata as pessoas. Não vale a pena ouvir os dois?

5. Se apaixonar, mas nunca considerar a vida e a rotina da outra pessoa

Volta e meia, acontece: você acha que aquela pessoa é quem te entende de verdade. Os outros não percebem nada do que você fala, como você se sente, o que já passou (pois nunca nem perguntaram) e também nunca chegaram no ponto em que querem vivenciar algo com você, mesmo que seja só ali, na tela. Isso pode ir longe, mas também pode ir longe demais. Se o que acontece na tela é mais importante do que o que a pessoa expressa, temos um problema. Se a logística parece uma coisa de outro mundo, idem. Esperar demais, não ter resposta, não ter confirmação, trabalhar sempre na indireta, nas entrelinhas, com respostas a perguntas que deveriam ser claras, mas não convencem: quando alguém se revela pra você, tem que ser de corpo e alma. É fácil ter uma relação de corpo: é só ligar a câmera. A conexão entre duas pessoas vai muito, mas muito além disso. É ouvir, é respeitar, é se preocupar, é planejar, é pensar, é falar diferente, é ser atencioso aos detalhes, é o que fica na memória e no coração. Não é o que acontece quando uma pessoa tem um orgasmo. Também não vale desligar a chamada e achar que acabou. A vida continua, mas e aí? Que vida é essa? Você conta pra pessoa o que você vai fazer? A conversa continua? Rola um “me manda mensagem quando chegar em casa”? Se não, veja que pode haver desinteresse.

6. Não procurar entender o contexto do país onde mora a pessoa

Além das coisas da vida diária, existe todo um contexto em volta da pessoa com quem você interage, da forma que for, que conta muito quando vocês conversam. Ela fala de um hotel ou de uma favela? Ela te achou porque uma amiga desafiou ela a baixar o aplicativo, ou ela trabalha com redes sociais, é jornalista e está coletando amostras e depoimentos de pessoas de uma faixa etária ou localização geográfica? O posicionamento dessa pessoa lhe agradou? Você procura o que com esse relacionamento? Já foram postos a prova tanto a identidade real da pessoa quanto a intenção real? E se ela nem existir, rapaz? Vai cair nessa, de novo? Mais do que golpes digitais, são comuns sentimentos de que é difícil confiar em quem a gente nunca viu, mas ao mesmo tempo, somos seduzidos por essa ideia: a ideia do diferente, do contexto de vida alternativo, da opção, do útil e agradável; até você ter de lidar com a sua própria rotina. O país pode estar tomando uma grande decisão, e falta o seu posicionamento; mas você decidiu que era o caso de ficar compartilhando memes de tartaruga com a pessoa especial. E as suas amizades daqui? Como vão reagir? Você inverteu as prioridades ou elas foram invertidas, e agora você tem o poder de voltar a ter controle da própria história? São perigosos alguns debates online, sobre pensamentos ou posicionamentos que não agradam à maioria, mas devem ser feitos. Só não é o caso de perguntar pra uma saudita se ela tá a fim de mostrar os peitinhos, pelo amor de Deus, cara. E meninas, no Brasil tem macaco sim. Também tem oficina mecânica, e inclusive tem uns caras que tiveram uma ideia de colocar umas cordas e… enfim, deixa pra lá.

7. Não se interessar pelo aperfeiçoamento da linguagem

Na interação online, hoje, o que conta é espontaneidade. São muitos os que já sabem sua identidade completa ao tempo da primeira interação, por meio de aplicativos. Outros sabem como manipular programas para buscarem os contatos que querem, e o que querem deles. Mas no momento do encontro, você não pode demorar muito para responder. E aí, tem que ser na lata. Se ficar falando sobre a vida, é chato. Mas tem muita gente procurando isso aí mesmo. É só saber dosar, e ser consciente das suas escolhas, que não podem se repetir no dia seguinte caso você chegue à conclusão que foram erradas. Dois dias depois, tudo bem. No dia seguinte? Pô, cara. Acorda. Mas além das questões de uso, a linguagem mesmo deve ser precisa, e a internet é um lar para a imprecisão. São muitas coisas acontecendo, e a linguagem acompanha essa tendência. A forma com que novas terminologias e hábitos são formados à medida que as conversas vão se formando e acontecendo é meio que alucinante; mas devemos ser sóbrios. Tudo bem perguntar “como vai” ou “que horas são”. Só saiba o que dizer. “Pô, por aqui tá legal, só aconteceu uma coisa meio chata hoje”. E aí, é assim que você fala? É isso que você quer falar? É sobre isso que a outra pessoa quer falar? Em todo caso, um dos modos de se expressar isso (além do “how are you” e do “what time is it”) seria: “Well, it’s all good, just this thing that happened today that’s bugging me”. E aí você recebe um mágico: “quer falar sobre isso?” ou “wanna talk about it?” É quase uma terapia. E quem disse que não era? Como diz o meme da NASA: always has been.

8. Confiar em um curso para te preparar para a vida

Não existe fórmula mágica, apesar de eu ter acabado de falar em mágica. Abordam-se situações, exploram-se aspectos da língua em termos de gramática, de vocabulário ou mesmo de pronúncia que podem fazer uma diferença enorme na sua preparação; mas se trata de preparação, não ação. A ação quem toma é você. O resultado você pode buscar com auxílio, trazendo suas questões para teachers ou procurando por aí. Mas no mundo de hoje, com as demandas de hoje, ninguém vai te falar como viver a vida, e sabendo que muito da nossa vida se passa na internet, não faz o menor sentido dizer isso. O que podemos fazer é dar indicações, e você pode ou não segui-las. Como diria um antigo apresentador de TV, é por sua conta e risco.

Imagem: Pexels

Mídia do outro, língua de todos: como se situar aprendendo inglês?

Quando eu tava na faculdade, meu primeiro contato com o inglês na graduação em Letras foi uma atividade onde a gente falava da nossa experiência com o idioma, bem resumidamente, e depois de perceber que alguns tinham estudado em escolas de renome e viajado pra fora (enquanto outros fariam isso mais tarde, e não foi o meu caso), gravamos um vídeo sobre um tema específico. Isso foi lá em 2008, tempo de políticas de inclusão na universidade, programas sociais e domínio da revista Veja nos debates da sociedade brasileira. Era um texto curto, que eu mesmo tinha escrito, e leria olhando pra câmera. Como não tinha celular (ganharia de presente um Sony Ericsson Walkman naquele ano, além do meu primeiro emprego e um download do Labiata, do Lenine), meu grupo seguiu o conselho da professora Walkyria e procurou o departamento de vídeo da faculdade. Eles gravavam eventos acadêmicos com filmagem profissional. Preparou-se a sala de apresentações com o equipamento, cheguei no horário (um milagre) com o papelzinho na mão, luz, câmera e aquilo que já era esperado: tá gravando? Vai, começa de novo. Olhei pro papelzinho, o papelzinho olhou pra mim, e lembrei da primeira frase; mas, em seguida, fiz uma careta e desviei a atenção pra parede. Isso não se faz, colega. Mas tudo bem, ninguém aqui nasce sabendo. O papelzinho, amigo. Procura não olhar pra baixo. Depois corta. Não me lembro da ideia geral, mas deve ter sido algo do tipo: “English is spoken in several countries around the world, and people have different opinions and feelings about how well they perform”. O que vem depois? Na boa, não dá pra lembrar mais do que isso. E como se enfatiza essa mensagem? A entonação cumpre um papel? É legal usar gestos pra complementar a ideia? E as pausas, serão longas? E a sua própria aparência? Mais importante que tudo isso: o texto é claro, e faz sentido abordar o assunto dessa maneira, numa fala? No fim, meu amigo acabou gravando o vídeo no meu lugar. Foram pelo menos 15 tentativas, e fiquei nervoso demais, não sabendo como corrigir meus próprios erros. Desisti, principalmente porque julguei já ter passado vergonha demais. Um grande erro.

Quero falar sobre alguns aspectos dessa experiência. Primeiro, a tecnologia que usamos no contexto de aprendizagem, e como isso mudou. Segundo, a experiência do outro, e como o esforço em conectar pessoas tornou o processo mais dinâmico, ao tempo em que atenuou algumas diferenças. Terceiro, a categorização da nossa expressão, que hoje virou trabalho essencial, não apenas pra quem trabalha com idiomas ou estuda a comunicação. Depois disso, acho que a gente pode olhar um pouco pra essa ideia de que temos opiniões e sentimentos sobre a língua, e como isso se torna complexo no contexto global, principalmente quando se baseia num julgamento. Finalmente, quero falar sobre o que significa ser incapaz de completar uma tarefa, e as outras tarefas que surgem depois de uma primeira experiência. Tudo bem se ficar com preguiça de ler, tá? Como isso é normal e previsível, vamos por partes.

A tecnologia e nossos hábitos

Quando eu tinha 10 anos, a quarentena era todo dia e a realidade era a TV, o rádio e o videogame. Parece estranho pra muita gente, mas a playlist do Spotify era feita manualmente por uma pessoa que entendia de música e se informava constantemente sobre lançamentos, selecionava o mais relevante de acordo com critérios comerciais e críticas em veículos impressos, botava pra tocar na hora do almoço e todo mundo ouvia; mas a programação continuava. Posso até falar que gosto de podcasts, mas não penso muito no fato de que o que fazemos hoje é resultado de um acréscimo das informações de veículos digitais na cultura popular, com muitas exceções, mas que contribuíram pra democratização das mídias, no plural mesmo. Existia a MTV Brasil; na minha região, existia o Mar Games, e as bancas vendiam a Nintendo World e a Super Game Power; nem se pensava em TV digital, e o Jornal Naconal era o vetor das questões unânimes havia décadas. Hoje é possível acompanhar discussões com um clique na chamada e outro nos comentários, e se não buscamos um tipo de informação que altera nossos ânimos, muitos de nós assistimos a séries da Netflix, inclusive na TV inteligente, sabendo ou não que algumas delas tiveram direitos de reprodução comprados pela empresa, que briga com outros serviços do chamado streaming pra ter o melhor conteúdo e maior número de usuários. É claro, o entretenimento se diversificou, e pode-se perguntar qual o espaço dele na educação. Naquela época, os livros escolares ainda precisavam do complemento das bibliotecas. Não que isso tenha mudado radicalmente, abandonando-se os livros ou no sentido de nada precisar de um complemento: isso se tornou mais intenso, apesar de o detalhamento e a variedade disponíveis, principalmente se você lê em inglês e tem uma conta na Amazon, não se traduzir sempre em investimento, sem falar de assimilação ou mesmo consulta extensiva; o fato é que as enciclopédias que usávamos pro trabalho de biologia foram substituídas por biólogos que fazem vídeos no YouTube, por exemplo, ou em algum meme do Bob Esponja. Os games, como todos sabem, evoluíram da distração pro nicho cultural, mas isso depende da sua idade. Aliás, seria muito interessante comparar a evolução dos jogos de ação em primeira pessoa, como Goldeneye em 1997, para Skyrim em 2012; mas já se foram 8 anos, e a dinâmica mudou, para todos os gêneros. Por mais que pareça irrelevante, na cabeça de alguns pensadores, falar da importância desse processo de evolução tecnológica no contexto de aprendizagem é falar justamente do que nos acostumamos a lidar em termos de possibilidades e estratégias que formam nossos conceitos e a maneira que estruturamos nosso esforço cognitivo; mas, pra muitos, perceber que o cadeado de um portão abre à base da bala não tem nada a ver com educação. Eu não discordaria, mas o ponto é que as relações se tornaram muito mais complexas que isso, e esse universo da tentativa e do erro, da ação e da reação, da causa e da consequência, do planejamento anterior e da expressão posterior se transfere o tempo todo de um plano pra outro – aqui, os entusiastas do RPG provavelmente têm algo a dizer, mas nem todos pagariam pra ver uma banda tocar ao vivo músicas do Final Fantasy, como acontecia há 10 anos em eventos voltados a esse público. De qualquer forma, muito disso é produzido lá fora, e desde cedo entramos na questão cultural: se o início da nossa experiência com o lúdico e o imaginativo se dá por intermédio de uma indústria que foi estabelecida à distância, acompanhamos o desenvolvimento por completo ou terceirizamos toda a avaliação? Não me refiro às bonecas e aos ursos de pelúcia, mas a gente pode pensar nisso também. É claro que a minha geração lembra da importância do Glub Glub, Mundo da Lua, Castelo Rá Tim Bum, mas eu não vou defender nem Xuxa, nem Gugu ou Eliana, e por mais que me torne arrogante, sou uma pessoa com incrível senso de ridículo que pensa no futuro e está pronto para um belo tapa na orelha na próxima vez que ouvir que hoje vai ser uma festa. Brincadeira, claro. Antes que fuja do assunto: por que não animes japoneses? Particularmente, não consumo muito conteúdo coreano, mas Baby Shark veio de lá e eu achei genial. A questão é que fica difícil saber onde acaba um ciclo e começa outro. Tudo isso se confunde, mas tudo bem, pois enquanto consumidores e longe das etapas da produção criativa de público massificado, ainda não chegamos ao ponto de desenvolver uma análise criteriosa sobre a qualidade de determinados conteúdos – ou chegamos? Talvez o público não seja massificado, mas a produção seja, e peque em qualidade: se falamos de cultura e de internet, é possível que alguém pense no que se chamava de flooder antigamente, mas a vontade de aparecer às vezes pode ser exploração mesmo, ou pelo menos uma frustração com a irrelevância da produção que leva a crises de saúde, inclusive. O que eu observo é que existe uma preocupação sobre conteúdo, mas por mais que isso seja evidente no entendimento entre pais e educadores (gostaria muito que a língua não fizesse distinção de gênero), no período escolar, ainda é tudo muito vago, além de não haver muito diálogo concreto entre as partes. Outro dia, li um projeto de aula que dizia que, de acordo com a BNCC, o aluno deveria saber todas as propriedades do vlog aos 8 anos de idade. Na minha época, eu realmente só sabia que o cadeado abria com uma KF7. Talvez por isso tenha crescido com relativa estupidez, e não lido o Pequeno Príncipe, que estava guardado no armário do meu pai, dentre outros itens. Mas jogava desde os 9, peguei Agatha Christie na mão na mesma fase e li de fato o primeiro Harry Potter aos 11, na época do lançamento; minha prima, em compensação, teve a primeira conta no Instagram ainda na infância. Posso estar enganado, mas não vejo muita discussão sobre o YouTube Kids; o máximo que aconteceu foi a febre TikTok. E como se explica o que rolou com as mídias sociais de raiz, digamos? Recentemente, andei até a banca de jornal na esquina do condomínio vizinho e perguntei se tinham o Diário Oficial. Era publicado desde 1862; não desapareceu, mas deixou de ser impresso em 2017. As revistas continuam, mas os canais têm muito mais engajamento, o que chama a atenção da publicidade. E a própria publicidade, que já virou até série (Mad Men), além do escritório, que virou meme (The Office)? A rede social é título de filme; grandes nomes do debate pela privacidade também, além dos documentários, disponíveis a todos que pagam mensalidade ou conhecem alguém que paga. Se devemos pensar no plano maior, a telefonia passou de fixa pra móvel, ganhou funções interativas, plataformas foram criadas cruzando dados de usuários e hoje não faz nem sentido perguntar se alguém usa o que se denominou mídias sociais – o que importa é como usam. Mas perde-se a oportunidade de discutir o problema de que nem todos acompanham esse processo na educação: posso descobrir a importância de se preservar o meio ambiente em uma aula presencial, mas é só usar o aplicativo do Google no celular pra procurar declarações do ministério responsável no Twitter durante a fala do professor. E aí surgem questões: é relevante comentar os argumentos dos discursos de ativistas como Greta Thunberg na mídia, mas participar ativamente das discussões públicas, talvez de um grupo maior de defesa do ativismo, também tem relevância, principalmente porque ele sofre ataques, por decorrência lógica. E aí, como fica a questão do letramento midiático, esse termo chupinhado do inglês sem a menor vergonha na cara? Brian Solis já indicava lá em 2010: a rede se tornou de muitos pra muitos; o consumidor virou produtor. Mas é óbvio, não seja condescendente. O que a gente quer saber é como o Instagram sugere um usuário pra mim com um número aleatório, mostra fotos que acha que eu vou gostar, esconde quando quer, bloqueia mensagem se quiser falar com mais de 3 pessoas, escolhe 800 usuários que dão like na sua postagem por vinte reais, mas jura que não hackeou nenhuma democracia, magina. Não por isso! Se os robõs são espertos, editoras também; o problema é quando se ganha uma revista de graça mas se perde um emprego por postar numa máquina de dinheiro sobre o que alguém com dinheiro decide fazer com ele. Aliás, abraço pro octagenário suíço que manda no Brasil! Somos todos pela educação, desde que a escola seja sem partido. O presidente nem precisa dessas coisas do século passado, como coligação: é só ter uma KF7 mesmo. Nesse ponto, com o perdão que não lhe peço pela metáfora que existiria se não fosse real, a gente sabe que houve alguma análise da cultura digital pra que se fizessem lives e mais lives. Cedo demais pra falar do futuro do trabalho? A internet pratica o laissez faire ou a coisa é mais puxada pro panóptico mesmo? A comunicação hoje prioriza as predições antes inclusive da verdade, pois não temos jornalistas que associem o preço negativo do barril de petróleo com as carreatas a favor do relaxamento das restrições de aglomerações, mas se for possível colocar o clickbait da matéria num vídeo do Brasil Paralelo, tá feito o negócio. E quem disse que não se fala de negócios quando se fala de mídia? Empresas pagam muito caro pelo espaço, há muito tempo. Há 5 anos atrás, alguém comentou: it’s 2015 and you don’t have adblock? É válido pensar em como se desenvolve a experiência virtual de grupos diferentes, e digo isso abrindo mão de alguns argumentos sobre privacidade, que podem se traduzir em egoísmo, ilusões de grandiosidade e falta de compreensão; no entanto, a frase indica que nem todos acessam os veículos da mídia fora dos aplicativos, onde geralmente se pede por dados para ter uma inscrição via e-mail e valores que chegam a até 1 dólar ao mês por conteúdo de altíssima qualidade. Se quiser entrar nessa, que saiba o que está fazendo. Conto um caso: quando comecei a acessar o UOL, passei a achar que o universo realmente estava online, criança que sou em espírito, a cada dia cantarolando uma música da infância diferente, do tema de Aztec ao hit de 96 “Ô Milla”, que tocava no intervalo e deveria ser o meu escape do menino que me batia na primeira série, mas acabou por me tornar um artista frustrado que encarna o mal gosto e diz que é de propósito. Mas aí lembrei da minha avó, nascida no ano em que Freud publicaria uma teoria que contrastava o desejo individual com o conceito de cultura, que é coletivo. Teimoso, continuei pensando em mídia. Pensei que estava me informando, pela primeira vez, pela mídia local e não a estrangeira, mas só via constantes notificações dos prêmios da Mega Sena; demorei a perceber que o conteúdo é extenso, e veículos de mídia precisam ser acessados sem que se pense, como virou costume, que as notícias estão realmente acontecendo em tempo real – pode funcionar para os seus 5 mil amigos no insta, mas o mundo não gira nem em torno de você nem deles, pode ficar tranquilo. Precisamos lembrar que a mídia se transformou, mas ir além do reconhecimento trivial e carente de honestidade (e daí que não tinha celular?) pra pensar tanto o que vem daqui pra frente como o quanto fomos influenciados, em grupos distintos, pelas transformações das últimas décadas. Isso inclui educação, como se indica nos modelos de aprendizado a qualquer hora e lugar, mas também a economia, a cultura e o trabalho. A pergunta que fica é: eu sabia de tudo isso quando olhava pra câmera, com meus 18 aninhos e meus três pêlos na cara? É claro que não. Mas o mundo se voltaria pra produção de vídeo na internet como o verificador de autenticidade, talvez não nos grandes acontecimentos, mas na interação, no registro e na defesa de seus ideais. Ainda não pensamos em fazer isso em outra língua, aqui no Brasil. Mas eu encontrei esse caminho e devo dizer que, apesar das implicações negativas, as boas possibilidades não se comparam.

Diversidade e interatividade

Quando me vi à frente da câmera, foi inevitável pensar naquele contexto que a gente cresceu acostumado – menos os que desligavam a TV pra ouvir música – onde a notícia era transmitida ao vivo e todos assistiam. Continua do mesmo jeito, mas existe toda uma cultura paralela onde a influência se dissipa e se defende que seja o máximo possível. Brincamos com a noção de autenticidade; exploramos o fato, o discurso e a contradição; pode ser que defendamos o indefensável, mas ainda contamos com colaboradores e vigilantes da hermenêutica. Nem tanto, vai: a gente só sabe que sempre tem um maluquinho que passa dos limites. E na boa: todo mundo tem um pouco de loucura. Mas novamente: nem tanto. O contexto que se criou nos últimos anos, ou tentou se criar, é o de conexão do pessoal com o virtual. É importante lembrar da raiz das palavrinhas: quem se conecta é a pessoa. Mas, por algum acaso, foi cunhado o termo rede social, sendo que a maioria se sente bastante sozinha, não conta com a companhia dos próximos e não sabe nem se defender caso seja essa a necessidade – contra a segregação, o complexo de inferioridade, os eventuais conflitos de interesse e opinião, mas também os ataques pessoais ramificados e detalhados, além das demandas naturais da sociedade e da família. É uma forma de ver as coisas, claro; existe uma série de interpretações, inclusive aquela que quase denuncia o egoísmo ou auto-centrismo do usuário, mais uma denominação alternativa pra pessoa humana. E retomo a outra questão, não pra lhe deixar confuso, muito menos pra pagar de filósofo: gostaria muito que a língua não fizesse distinção de gênero, haja vista a experiência feminina da internet em comparação à masculina. Pois bem, estamos conhectados aos bilhões. As pesquisas já indicam que o número de dispositivos superou o de pessoas; por isso insisto na questão da relativa desumanização que o virtual pode gerar. Nesse sentido, sou relutante mas cuidadoso ao usar o termo, talvez por ser linguista e não advogado: os termos de usuário do Twitter basicamente indicam que chamar alguém de “anta” configura desumanização; eu já sou uma pessoa que aceita a crítica, sabendo que erro na vida e devo aprender com isso; mas quando digo relativa, penso mais no efeito da crise de relevância e a ideia de que somos apenas mais um. Isso precisa ser solucionado. É importante que falemos bem das pessoas que nos fazem bem; mas, fora das relações pessoais, parece que o conceito de cidadania ou mesmo de ativismo está sendo confundido o tempo todo com indignação e revolta, pra não dizer ofensa. Entenderam errado. Devemos apontar soluções, devemos apoiar uns aos outros, e para além da competição acerca das melhores mentes e ideias, nos destacaríamos pela habilidade em identificar diferenças sem preconceitos, pra falar de outra raiz de palavra importante. Traduzindo tudo isso de uma maneira que seja mais clara e possibilite o debate: não gostei de uma música? Vou fazer uma música melhor do que essa. E olha, muitos colocariam o ponto final da discussão aqui, mas é claro que não é isso que acontece na maioria dos casos. Além da falta de curiosidade sobre o processo criativo, existe hoje uma defasagem do conceito de fala pública, que tantas vezes parece apostar na divisão e não se preocupar com repercussões. Isso renderia teses, mas eu pelo menos me vejo como o acadêmico preguiçoso que ainda não foi atrás delas. Faça um exercício: pense no bebê nas redes sociais. Postaria: “tô com fome!” Imagine os haters, que provavelmente iriam ao ponto de aconselhar uma leitura sobre os meios de produção antes de vociferar tamanha petulância. É claro, isso não se aplica a todas as falas públicas, mas a que importa, pode acreditar, é a nossa. Imagino que quem lê esse texto saiba que as necessidades não precisam ser destacadas ou observadas o tempo todo, e é esse o ponto da discussão, mas em muitos outros casos, precisam sim, lógico que precisam. E talvez uma delas tenha sido a necessidade de se conectar pessoas e interesses de maneira remota. A língua ainda é um obstáculo, mas como dizem por aí, só na sua opinião. Muitos julgam não precisar do inglês, e quem sou eu pra questionar isso, principalmete confrontado com o fato de tantos americanos, britânicos ou australianos não conseguirem identificar as nuances da minha língua materna? O que torna a discussão mais complexa é que, nesse sentido do que é acessível ou não, existem reações e percepções do outro que não estão exatamente claras; mas ainda temos uma curiosidade sobre as línguas, sobre o modo de viver, sobre os autores ou artistas, sobre a organização de grupos da sociedade e as particularidades enfim de falantes de outras línguas. E não cabe a demonização das redes sociais como espectro de influência do imperialismo; essa noção é falsa, pois existe uma plataforma e os usos locais da plataforma; existem outras alternativas, e ainda estamos num processo de descoberta. Só não podemos esquecer de que um princípio básico da vida em sociedade é a dignidade humana, e precisamos de esforços para que isso seja disseminado pelo senso comum e pelos órgãos responsáveis, que enxerguem nos desejos de expressão de quem participa das redes a intenção de tornar a vida mais agradável a cada momento, apesar das dificuldades. Mas voltando à questão da câmera: pude expressar isso quando tentei falar sobre a performance do falante? Não, nem sabia de muito disso que acabei de mencionar. E convém observar que não foi muito através do vídeo que aprendi boa parte desses conceitos (ênfase na questão da dignidade), mas através de conexões complexas com várias partes do mundo – o que pode vir a ser um problema se não há esforço para assimilar, compreender e mudar boa parte de seus hábitos e discurso.

Os fins específicos

Talvez a experiência na faculdade tenha sido mais uma questão de fazer uma ponte entre o linguístico e o extra linguístico. É claro que as questões gramaticais, de vocabulário, prosódia e pronúncia seriam abordadas, mas também conceitos como confiança ao falar, dificuldades em ser avaliado, planejamento, postura. Se procuramos entender o que jornalistas dizem na TV estrangeira, é claro que não estamos julgando a aparência de uma pessoa. No entanto, as palavras não são facilmente associáveis. Muitas vezes, algumas delas desencadeiam pensamentos completamente desconectados do todo, numa espécie de livre associação paradidática: entendi Sunday; o que vou fazer no domingo? E o foco de atenção se perde, até que se olha novamente pra TV, e parece que o assunto já é outro, mas notamos uma expressão facial diferente, e focamos nela, não na linearidade do argumento apresentado, nos nomes mencionados, nos fatos e nas soluções dos problemas abordados. Experimente voltar pra programação normal. Tédio completo, ou então o comentário de um familiar. É claro, criatura. É outro país. Mas e o conhecimento que existe em outra língua e não está disponível na sua? Lembro de ter lido um conto da Virginia Woolf, que abre uma obra chamada Monday or Tuesday, e achar que se tratava de uma descrição da procura de um amor, quando críticos classificam como suspense e as referências são mórbidas. Talvez tenha achado a estrutura bonita, as palavras bem ajustadas, gostado de ler descrições que fugiam à normalidade; mas não entendi a essência. O mesmo acontece com a música: até hoje, perco o fio condutor de uma letra, quando quem vive a vida falando aquela língua tem sempre uma primeira impressão, e não precisa olhar pra tela (ou pro encarte) pra descobrir o significado, apesar de isso ser discutível. Nos trabalhos acadêmicos, o importante é saber a relevância do tema e a estruturação das bases teóricas, com argumentos de consenso ou conflito, acrescentados de uma perspectiva sua e uma conclusão que aponta um caminho. Geralmente é assim; mas quantos fazem um recorte ou deixam de explorar o que é citado? Sou um desses, inclusive. Tudo tem teoria e prática; o impportante é saber que ambas são passíveis de mudança, e isso segue movimentos. Existe a prática das mídias (inclusive as sociais), existe a arte e existe quem se dedica mais fielmente à análise crítica. Se a sua finalidade for só conhecer alguém, trocar ideia, falar das coisas que acontecem durante o dia, mandar um link e basicamente ficar de boa, nem se preocupe com a CNN. Mas na comunicação existem analistas, e o mundo parece, se não for uma tendência geral, ao menos dispor de ferramentas pra mapear como se fala e com quais motivos, por razões que pode ser muito cedo pra discutir, dependendo do seu posicionamento.

How does it sound to you?

Uma coisa essencial de se lembrar no aprendizado em segunda língua é que personagens não falam com você. Talvez eu seja suspeito pra falar dos músicos, mas não é nenhum pessimismo: eles sabem que o público não entende da mesma maneira se não nasceu falando a língua deles. Novamente, a distinção de gênero vem à tona, mas dessa vez com certo propósito: a presença feminina na indústria musical é marcada por discussões sobre imagem, tradição, expectativas e outras questões que merecem uma postagem dedicada a um maior aprofundamento; adianto que acredito no empoderamento feminino, e não tenho problemas pra falar da minha sexualidade até que alguém acredite que a minha sexualidade é um problema. É difícil, inclusive, cumprir uma função tradicionalmente feminina, na sala de aula; no idioma estrangeiro, é de um desconforto enorme verificar a cada momento que a sua postura, o som da sua voz, a sua escolha de palavras, a sua clareza, dicção, seus exemplos, suas referências e inclusive a maneira como você conversa na vida pessoal e supostamente privada é passível de avaliação neste viés específico, por parte do empregador e por parte de um público imaginado. Mas não conto nenhum caso; prefiro refletir sobre a importância de outros temas. Por exemplo, o fato de que quando falantes nativos (no inglês, diga-se de passagem, não há distinção de gênero em artigos ou adjetivos, e é a última vez que falo sobre isso) fazem uma espécie de simplificação da fala: falam devagar, cortam palavras que julgam ser muito difíceis, evitam referências muito localizadas, enfatizam demais, muitas vezes acham que você não entendeu nada e agem como se isso já fosse esperado, ao invés de perguntar se você entendeu ou falar de uma outra maneira, sem continuar a conversa por desistir da interação, e claro, sempre julgam o seu sotaque. Alguns podem elogiar o seu inglês. Poucas coisas são mais irritantes, com o perdão da honestidade. Pessoalmente, passou a ser mais frustrante do que irritante; mas essa frustraçãoa apesar de existir do outro lado, é minha também, pois me cobro, falho muitas vezes, e tenho que aceitar que falo uma versão do idioma, além de ter uma versão da realidade, tema que já abordei em outras oportunidades. Um anúncio que vi recentemente falava “can you I-MA-GINE? If someone spoke to you? Like this?” E o legal é que muitos não notariam a pronúncia da primeira vogal, mas saberiam, é claro, que se trata de uma espécie de preconceito linguístico. Eu acredito que não se deve subestimar as pessoas que querem aprender. Mas existe uma diferença entre aprender uma trivialidade gramatical e participar ativamente da sociedade no contexto estrangeiro: o nome disso é imigração, e essa discussão, senhoras e senhores, vai longe. O ponto importante de se lembrar, no entanto, é que os Estados Unidos é um país com muitos imigrantes, e enquanto certas atitudes foram naturalizadas no sentido da aceitação do outro, há defensores de teorias como “they’re taking our jobs”. Prefiro não tomar partido nesse caso, por uma questão ética. Mas você está livre pra formar sua opinião com base em dados estatísticos. Em muitos países europeus, o ensino bilíngue já avançou bastante, outro ponto importante de destacar. Se você vai achar mais prazeroso, no curso das suas interações, trocar uma ideia com alguém da Europa que fale duas línguas ou invés de alguém que fale uma só, isso vai depender da pessoa, é claro. Só isso que eu digo. O resto é individual. A supercorreção tem algum benefício e vários malefícios, mas alguns deles vêm de você mesmo. O importante é se comunicar e gostar de falar com alguém. Já na sala de aula, a história é um pouquinho diferente, mas não é um post sobre a sala de aula.

Teacher, I’m stuck!

Sai daí, menino, como já diria o Costinha. O que é travar? Fundamentos filosóficos. Não, nada disso: a reformulação é uma característica essencial da conversação; se você quer se aprofundar nisso, procure referências na academia – se você tiver interesse, pode assistir ao professor Ataliba de Castilho explorando exatamente esse tema, dentre outras propriedades da fala, aqui; também vale assistir ao canal English Coach, num vídeo que vou deixar aqui. Pensar antes de falar é conselho de mãe; falar o que pensa é conselho de pai. Ou seria o contrário? De qualquer forma, ambos atuam e se reconfiguram, baseado em boas experiências e outras nem tanto. Existem níveis da fala, contextos de interação, veículos e formatos, além de conceitos básicos (mas que se mostram útil nos dias de hoje) do que se denomina variação linguística: a análise quantitativa e qualitativa. Nós operamos com esses conceitos o tempo todo, e vale a pena pensar sobre a aplicação deles nas diferentes situações em que produzimos linguagem, por mais que o termo seja mais geral (sim, galera, eu estudei linguística; por isso sou tão insuportável de ler e uso ponto e vírgula fazendo adendos).

A minha experiência com vídeo mudou um pouquinho. Sou uma pessoa que passou muito tempo em videochamadas, repito, e talvez por isso alguns estranhem um pouco a forma da escrita e critiquem o propósito. Mas acredito que você tem aqui bases pro seu estudo, entre alertas, dicas, materiais e reflexões com as quais você pode divergir. Tô ficando velho, mas é aquela história: quem não se comunica, se estrumbica (se você procurar a definição da palavra no dicionário Priberam e aprender quem disse isso, fico contente).