Build something real. Know where you stand.

@partfluency (you can find me on Twitter. This post is for Brazilian readers)

Fluência

Capacidade de comunicar e entender ideias, sentimentos, opiniões e propostas com clareza, independente da complexidade.

Participação

Construção de um projeto em conjunto com um grupo de pessoas; vozes e perspectivas diversas, concretizando a representatividade.

Em 2017, criei esse blog para dar aulas particulares de inglês hospedando conteúdo próprio. Tinha 12 temas que julguei serem os mais relevantes para o aprendizado em língua estrangeira, no contexto de troca cultural, do qual participei ativamente. Fui moldando o material, produzindo texto e vídeo, além de criar contas nas redes sociais e selecionar material complementar, tudo isso considerando a minha experiência como professor de inglês em algumas das maiores empresas privadas do ramo, desde 2008. Em 2019, tinha planos para fazer um mestrado pela Universidade de São Paulo, onde me formei, mas veio uma pandemia que fez todo mundo pensar como seria o mundo no futuro, e muita coisa ficou mais difícil. Apesar disso, precisamos focar na superação das dificuldades e agir. O mundo inteiro está conectado, em seus problemas e suas soluções. Por isso, queria compartilhar uma visão, que serve para entender a relevância do conceito e o que ofereço: falar inglês não é só usar o que você aprendeu no estudo, seja por conta própria ou numa escola: a gente quer ter conversas sobre assuntos relevantes, participar de uma discussão mais ativamente, opinar e cultivar relacionamentos com pessoas, e a vida digital pede isso de muitas maneiras. É importante saber o que está acontecendo lá fora e ver como as coisas são parecidas ou diferentes no contexto daqui. O que a gente tem contato, a gente leva pra vida. Não é só entretenimento, é crescimento pessoal — e sem dúvida, profissional.

Desenvolver a fluência participativa é o seguinte: além da tentativa e do erro, aprender através de experiências com pessoas reais e temas que têm a ver com nossos valores pessoais. Cada aula tem um propósito diferenciado, que não é só focar nas habilidades linguísticas, mas principalmente nas sociais. Em pouco mais de dois meses, você vai ter muito mais base pra começar conversas em inglês, conhecer alguns dos assuntos que norteiam discussões na mídia, cultivar um bom vocabulário e técnicas de argumentação, além de perder suas travas. Quer começar agora, já? Agora o material é de acesso público.

Participatory Fluency – Student’s Book (na sua conta do Gmail, clique para ver no Google Docs, onde os tópicos estão organizados na barra lateral de navegação e você pode baixar o documento).

How it started:

One-on-one: conversa franca, individual; papo reto, íntimo, honesto. Assim começou o blog: a ideia de aulas com atenção individual focava em relacionamentos interpessoais, não somente na língua.

How it’s going:

Criação artística e multiculturalismo: de Vigotsky a Kress, as bases do curso consideram a zona de desenvolvimento e aproximação entre interlocutores, não simplesmente professor e aluno, estimulando o conhecimento de modos de expressão diferenciados.

In the meantime:

Literatura, música e como nos relacionamos com a expressão artística e diferenças na linguagem e na cultura: o que você pensa sobre isso?

Meu currículo e minha atuação como pesquisador da área de Linguística e Educação refletem algumas das minhas convicções. Conheci muita gente, fui atrás das principais referências na área e me envolvi com a produção cultural, o que construiu uma base pra pensar o que poderia ser proposto pra inovar em termos de abordagem, pra sair da caixinha das four skills: reading, listening, writing, speaking; mas é claro, houve consulta à BNCC, Base Nacional Curricular Comum, e ao CEFR, Common European Framework of Reference. É importante conhecer outras pessoas que trabalham na escrita, na música, no jornalismo, e aprender sobre a teoria e a prática, desenvolvendo o que se chama de letramento digital. Pensar que as pessoas podem ter o mesmo tipo de experiência que eu tive buscando conexões com o mundo lá fora é o que me motiva, conhecendo as possibilidades, os ganhos e a satisfação. Gosto da ideia de que vc pode ensinar alguém a cumprir um papel maior na sociedade e produzir conteúdo relevante, com o qual as pessoas se identificam; não só demonstrar suas habilidades ou conhecimentos, mas também contar um pouco das coisas daqui, seja do modo de vida, dos costumes, da arte ou das questões sociais.

Mais leitura: uma das matrizes do curso.

Resumo aqui o programa do curso, com descrições em inglês. Será que você consegue entender a ideia? É importante tentar. Vamos juntos na interpretação do conteúdo, conforme o seu ritmo. Aqui, você pode usar um tradutor, em extensões ou jogando na pesquisa, e ver o que você realmente é capaz de entender, comparando com o original:

Communication has a history of profound transformations, in its mechanisms and the society that shaped what needed to be discussed. The 21st century has offered a myriad of possibilities, including global understanding and exchange, not only through language, but knowledge and values; entertainment and mobility; diversity and freedom; collectiveness and participation. In this context, foreign is not different: it’s complementary.

When we think about comfort and safety for too long, we forget to explore. And that’s how we learn: challenging the common place, reorganizing representations and redefining our views. Assimilating becomes natural when we consider cultural aspects, along with changes in how we look at our social landscape and what we consume in terms of media. The real challenge is to be able to give, in our own standards, something that represents who we are and updates our conscience of what we have as a purpose in life.

The 12 domains translate the need for a reasonable organization of learning issues in the scope of sociolinguistics, multimodal environments and migrant narratives in second language use. The relationships between spoken and written, real and virtual, literal and symbolic, according to interactive situations, will help us enhance our expression capabilities and be part of a world of solutions instead of barriers; debates instead of disputes; compassion instead of intolerance. You’ll find materials to read and discuss (input and output).

1) Home
“Home is where the heart is”
Talk about your community, the place where you grew up and learned about the world surrounding you, met people who shaped your way of thinking and lived in a specific geographical context. Make associations based on the basic organization of social life, economic activity and representations of your place of origin. Exchange simple information about familiar aspects of your neighborhood, city, state or country, using localized knowledge to describe what it’s like to be where you are.
2) Habits
“Do what you have to”
Feel free to expose what your daily struggles are all about. Narrate the small steps that lead you through the series of demands that you manage in a particular way, with a lifestyle that works for you and choices on how to interact with the world. Be reminded of how much you need a certain pattern of action to be comfortable in your social setting. Start conversations about merging interests and stay connected with people who share the same kinds of experiences, both in real life and the digital.
3) Thoughts, feelings, arguments
“Why don’t you say what you really want?”
Make thoughtful contributions to public discussions and private matters. Explore different ways of presenting points of view, from basic approval or disapproval to engagement and disengagement. Learn from divergent opinions, approaches and sentiments, observing context. Identify sensitive topics, listen to the other, be prompted to take a side according to motivation and reasoning, assess the power of your words and reflect on the consequence of people’s attitudes, in light of free speech.
4) Plans
“Get away, at least for a while”
Make projects that fit into your reality, being ready to talk about what doesn’t. Create a conscious mindset when you visualize possibilities in short and long term. Compare opportunities and learn to deal with expectations in different areas of your life. Talk about what you want and what you need. Make decisions based on current situations and future arrangements. Organize your life around purpose and fulfillment, without fear of leaving rituals behind or losing touch with your background.
5) Rights, duties and perceptions
“Nobody’s ever absolutely sure”
Push yourself to take the best kinds of decisions. Search for problem-solving strategies, taking into account different experiences, cultural values and social mechanisms. Help and be helped. Try to understand how to improve things and yourself. Build trust, awareness and knowledge of the world, based on perspectives and narratives of different scales. Learn to analyze context before attributing a single course of action as right or wrong.
6) Cohesion, coherence, medium and audience
“Question punctuation”
Enhance your attention to detail, in written and spoken communication. Understand different elements at play on web content and its many formats. Search for references on what’s appropriate or not according to themes and their relevance. Push for accuracy, authenticity and confidence. Read more, but don’t forget to produce.
7) Looking back
“Remember when you were young?”
Take a moment to reflect on lived experiences, as well as events, figures, representations and organizations. Situate yourself in a development narrative. Recount your memories and learn through different sets of important stories. Make sense of how we got to where we are.
8) Experiences
“You’ve never seen the ocean?”
Look critically at old and new practices, and discuss the progress of both your own initiatives and collective domains. Talk about ongoing situations and past experiences, collecting responses. Understand different life trajectories and situate yourself in the outlines of future prospects.
9) Modes of asking
“Cause you just know better”
Understand different language patterns and overall reactions when someone wants something or wants to know something. Work towards a better understanding of how situations change the answers to the same kinds of questions. Investigate direct and indirect meaning, clear and unclear statements, formal and informal language.
10) Reference, context and delivery
“Just take your time”
Expand your repertoire with different sources of content, in text or speech, explaining their different characteristics. Incorporate real world issues that you care about in your attempts to collect credible information. Learn about distinct vocabulary choices. Assess engagement conditions and efficient strategies for successful communication.
11) Politeness, formality, emphasis, identity
“Say what you mean, mean what you say”
Learn to play with language, while looking at recognizable patterns and disruptive forms. Develop a sense of representation in the features of language that attract you the most. Test different ways to rephrase what’s been said before, with examples from various sources. Identify the measure of language possibilities, as well as extra-linguistic roles.
12) Interaction, correction, awareness and purpose
“It’s ok, I get it”
Work towards fixing communication problems, general or specific. Understand the notion of foreign with an eye to the surrounding context for both writer and reader, speaker or hearer. Make efforts to capture the reasons why certain forms of language have a certain effect. Experience and report your contact with the foreign world, according to your perception.
Novas gerações e sua comunicação: falamos sobre isso?

Each of these themes are going to be explored with basic warm up questions and free conversation, so we can actually say what we think and how we see things based on real life examples. After reading the texts together and checking understanding, which includes assessment materials that will be made available, we talk about what I call practical verbs: each theme is approached with common things we associate with them. They’re listed below.

1) Home: be, do, have;
2) Habits: like, think, feel, want, hear, drink, eat;
3) Thoughts, feelings, arguments: love, hate, agree, disagree;
4) Plans: stay, leave, come, go, give, take;
5) Rights, duties and perceptions: can, could, should, will, would;
6) Cohesion, coherence, medium and audience: read, listen;
7) Looking back: remember, forget, miss;
8) Experiences: wonder, message, apologize, report;
9) Modes of asking: say, ask, tell, answer, lie;
10) Reference, context and delivery: buy, sell, send, comment;
11) Politeness, formality, emphasis, identity: respect, follow;
12) Interaction, correction, awareness and purpose: promise, swear, believe.

Não seria legal discutir isso tudo? As aulas serão mais flexíveis a partir do nível intermediário, com 2h para cada um dos 12 temas. São individuais, e além do livro de estudos, com 293 páginas de material original, você pode acompanhar as outras mídias, além dos encontros para debates.

Acredito que a interação é mais importante do que o aprendizado assíncrono, onde se assiste a um vídeo que fala sobre temas genéricos e não dá a possibilidade de produção, muito menos debate, para quem quer aprender e usar a língua, entendendo seu contexto e trocando referências. Pesquise os preços dos cursos online, e você vai ver que o conteúdo disponível aqui vale o seu tempo e o seu investimento.

Podemos fechar pacotes ao mês. Seu investimento total será de R$1200, com horários flexíveis, e a duração estimada de 3 meses. Ao indicar amigos, ganhe desconto de 20% (R$960 no total de 3 meses, ou R$50 a hora). Tenho conhecimento de mercado! Os cursos de inglês pagam o professor uma média de 15 a 20 reais a hora, mas contam com instalações, estrutura de pessoal e entregam um material abaixo do que você merece para poder pensar ofertar uma boa experiência, que no fim resulta em más práticas, pouco entendimento do mundo real em inglês e em alguns casos bilhões na conta bancária do dono! Você quer mesmo passar 18 meses mexendo sua cadeira quieto o tempo todo, escrever redações sem nenhum feedback, fazer provas sobre conteúdo mal abordado, e ainda pagar quase 15 mil reais? Ou prefere falar sobre o clima com um nativo por 5 minutinhos? Talvez queira sentar num sofá assistindo Ana Maria Braga no ar condicionado, mas que tal fazer aulas de qualidade com um profissional de vasta certificação internacional, enquanto estuda com um material embasado em pesquisas dos maiores especialistas em comunicação do mundo, que é seu e não custa nada, ainda tendo o conforto da sua casa? E o café você faz do seu jeito!

Vale a pena investir no seu futuro agora. Para assistir um vídeo em Português em que falo sobre a importância de pensar a comunicação global, clique aqui. Pagamentos podem ser feitos pelo PayPal, (com nota fiscal), pelo Pix, transferência bancária ou sua forma preferida.